Siga e compartilhe

Por que tantos buscam um “corpo perfeito”?



corpo-perfeito

A valorização extrema da beleza exterior, às vezes, pode influenciar em práticas nocivas à saúde e trazer mais prejuízos que benefícios. Esse é o resultado da imposição da sociedade moderna, cujos padrões estéticos, dominados pela indústria da beleza e da moda, priorizam os indivíduos magros e esbeltos como modelos de “corpo perfeito”. Mas, até que ponto vale a pena sacrificar a saúde para se adequar a esses padrões?

Para começar, talvez  nem existe “corpo perfeito”. Não do ponto de vista antropológico, já que as pessoas possuem biotipos conforme a raça, a herança genética, a cultura e o ambiente em que vive. Logo, a noção de “perfeito” não pode ser generalizada porque depende de uma proposta estética individual, de uma visão mais ampla de si mesmo e da conquista de valores que induza a sentimentos positivos.

Assim, as dietas malucas, “via crucis” sem sentido e que prejudicam a saúde devem ser evitadas. Não vale a pena o desgaste emocional ou colocar a vida em risco para alcançar padrões estéticos e imposições construídos socialmente, apenas. Talvez a mudança que tantos procuram não seja revelada pelo espelho.

Mas,  quem não está bem com a própria aparência pode sofrer com os quilinhos extras, frustração com um tratamento que não deu certo, com piadinhas de amigos, etç. Para estes, existem alternativas viáveis, possíveis de realizar, mas que devem priorizar uma vida saudável em primeiro lugar. Se este é o seu desejo, procure um profissional e avalie suas medidas físicas considerando seu biotipo e as características individuais que podem influenciar no tratamento.  Em seguida, adote um planejamento personalizado e que tenha possibilidade de êxito. Lembre-se que sua mente precisa está apta para que seu corpo consiga mudar. E, as mudanças mais duradouras são as que ocorrem de dentro para fora.

E, quanto à beleza e seus padrões sociais? Ser belo é ser saudável! Pense nisto.

 

Colaboração de Zilma Silva*

*Graduada pela USP – Universidade de São Paulo e pós graduanda em Saúde da Mulher


Faça sua Avaliação

Redes Sociais

Faça seu Comentário